fábula #36

julho 22, 2012 § Deixe um comentário

Mandamentos do Senhor Gato

m.n.f. / 2011-12


Contam de um gato que descera do alto de um monte trazendo em seus dentes farrapos de pano – aparentemente arrancados de um sofá – e de onde se podia ler aos seus mandamentos aos homens.

I
Eu sou o teu SENHOR GATO, jamais terás outras prioridades diante de mim, tu me darás casa da servidão.

II
Não farás para ti imagem de escultura; salvo, claro, a taxidermia nos cães mortos ou vivos; e jamais no SENHOR GATO, pois saberdes de que não há necessidade de empalho naquele que, quando pouco, tem sete ou mais vidas.

III
Não adorarás outro bicho senão mim (exceto, talvez, um peixe em aquários destampados); não te encurvarás a eles nem os servirás; porque eu, o SENHOR GATO, sou matreiro, que visito a indiferença dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.

IV
E faço negligência a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.

V
Não tomarás o nome do SENHOR teu Gato em vão; porque o SENHOR GATO não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão; e jamais atenderá ao chamado; abster-se-á em lamber-se nas patinhas.

VI
Lembra-te do dia do sábado, para santificar o SENHOR GATO com comida. E não esquece-te de todos os outros dias da semana, do mês, do ano, da vida.

VII
Sete dias trabalharás, nenhum descansarás, e corrigirás toda a minha obra.

VIII
Porque nos sete dias habitou o SENHOR GATO o alto dos muros e a terra, as casas e tudo o que há nelas , e em cochilos descansou; portanto abençoou o SENHOR GATO o sono descompromissado, e o santificou.

IX
Honra a teu pai e a tua mãe bem como ao teu SENHOR GATO, para que se prolonguem os teus dias na terra.

X
Não matarás ratinhos e passarinhos, pois destes dará conta o teu SENHOR GATO.

XI
Não adulterarás, acariciando um cão ao teu gato. Os cães são mordedores e cheiram mal.

XII
Não dirás falso testemunho contra o SENHOR teu Gato, pois qualquer testemunho teu é falso; pois sou o teu SENHOR GATO e dono da única e verdadeira razão da terra.

XIII
Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. Cobiçarás somente bife, e o furtarás, para servi-lo ainda quentinho ao teu SENHOR GATO.

XIV
Tenha sempre um gato em casa, pois abençoado é a reino do SENHOR GATO.

E desde então os homens o têm como profeta; veneram-no, o Senhor das suas casas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento fábula #36 no Querido Bunker,.

Meta

%d blogueiros gostam disto: