fábula #32

outubro 18, 2011 § Deixe um comentário

O grande ilusionista

m.n.f. / 2011

Há muito tempo viveu um ilusionista que, embora tenha sido um dos maiores, era do tamanho de um coelho; mesmo porque, era o próprio ilusionista um coelho. Seu talento provinha de um dom natural: ele era um coelho, e coelhos entendem de mágica.

Em seu número mais popular o ajudante costumava entrar no palco e exibir ao público uma cartola vazia; a cartola era posta sobre uma mesa e sem qualquer explicação o ilusionista materializava-se dentro dela. Todos ficavam boquiabertos.

— Óóóóó… – exclamava a plateia.
— Bravo, bravíssimo! – regozijava o regozijador.

Esse no entanto não era o truque mais curioso.

A maior ilusão ali era tão engenhosa que ninguém se dava conta: consistia em fazer com que acreditassem que mágico era o ajudante com a cartola; e não o coelho.

***

Moral: nem tudo é o que parece; às vezes, o mágico é o coelho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento fábula #32 no Querido Bunker,.

Meta

%d blogueiros gostam disto: