fábula #28

setembro 20, 2011 § Deixe um comentário

Os pombos e o pipoqueiro

m.n.f. / 2011

Na praça havia banquinhos, passantes, crianças, casais de namorados e velhinhos; e esses já eram motivos de sobra para existir também um pipoqueiro. A razão dos pombos frequentarem a praça era somente uma: pombos adoram praças.

— Poc… poc, poc, poc – anunciava a pipoca.
— Eu quero pipoca – pedia o menino.

Nos dias em que o comércio não ia bem, o pipoqueiro criava um espetáculo particular. Arremessava o milho excedente na praça e logo os pombos cercavam-no como um ciclone.

Certa vez, uma vendedora de balas aproximou-se do homem e perguntou porque ele não guardava as pipocas restantes para usar no dia seguinte.

E o pipoqueiro, entretido que só ele, disse:

— De que adiantaria trabalhar, se não me sobrasse tempo aos pombos?

***

Moral: Não viva para trabalhar, trabalhe para viver.

Anúncios

Os comentários estão desativados.

O que é isso?

Você está lendo no momento fábula #28 no Querido Bunker,.

Meta

%d blogueiros gostam disto: