fábula #16

agosto 23, 2011 § 1 comentário

Acertos entre a onça e a anta
(essas velhinhas gentis)

m.n.f. / 2011

Era uma vez uma onça e uma anta que não se davam. Era outra vez, no entanto, a mesma onça e a mesma anta.

Quantas vezes a onça abocanhou a anta, a quem chamava de ‘anca’ pela carne que acumulava sobre as patas traseiras. E quantas e tantas vezes a anta fez pouco da onça, a quem chamava de ‘extravagonça’ pela maneira como se vestia.

O tempo passou, a onça mudou, e anta também. Ninguém conhecia uma melhor que a outra e, de velhas conhecidas, as duas logo viraram velhas amigas.

— Anta! – sorria a onça, já sem dentes.
— Onça! – festejava a anta, já sem vaidade.

E como relembraram juntas aqueles velhos tempos que não voltam mais, e como construíram juntas os velhos tempos que estão por vir!

Moral da história: faça novos amigos hoje; todos vamos precisar de velhos amigos um dia.

Anúncios

§ Uma Resposta para fábula #16

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento fábula #16 no Querido Bunker,.

Meta

%d blogueiros gostam disto: